domingo, 4 de abril de 2010

Fogueira



Quero queimar meus versos na fogueira,
jogar-me junto, arder-me nessa chama,
pois meu destino é o mesmo da madeira
que enquanto morre o seu choro declama.

Como ela quando canta a derradeira
cantiga aquebrantada, e o fogo brama,
estala e treme o dorso e a cabeleira
do galho que se esfuma em lindo drama.

Quero queimar-me para ter na boca
a voz dos ventos, dos rios uivantes,
da noite lamentosa, fria e oca,

Para acalantar no berço ardendo,
como plangem os ramos soluçantes
pela fogueira, lúgubres, morrendo....

3 comentários:

Filipe Cavalcante disse...

A vida do poeta é um pretexto pra poesia. Ele fica completo em sofrer pra que cante ainda mais bonito! Belo soneto!

Edir Pina de Barros disse...

Belo soneto! Edir

L.Rommel Werneck disse...

É o favorito dele, mas eu ainda sou mais atraído pelo Rosa de Sangue tbm por aquele que o anjo tá dormindo, acho que é " O Despertar do Anjo"

REVIVALISMO LITERÁRIO


Poesia Retrô é um grupo de revivalismo literário fundado por Rommel Werneck e Gabriel Rübinger em março de 2009. São seus principais objetivos:

* Promoção de Revivalismo;

* O debate sadio sobre os tipos de versos: livres, polimétricos e isométricos, incluindo a propagação destes últimos;

* O estudo de clássicos e de autores da História, Teoria, Crítica e Criação Literária;

* Influenciar escritores e contribuir com material de apoio com informações sobre os assuntos citados acima;

* Catalogar, conhecer, escrever e difundir as várias formas fixas clássicas (soneto, ghazal, rondel, triolé etc) e contemporâneas (indriso, retranca, plêiade, etc.).