terça-feira, 16 de julho de 2013

Mar



Mar
Mar profundo de tez ensangüentada,
De feridas abissais, de escuro infindo,
De monstros assombrosos consumindo;
Cardumes de brancura imaculada;
Tornei-me quando fiz Amor bem vindo;
Nas águas de meu Ser, na minha alada;
Alma cândida, alma governada;
Pelo som da Esperança, que ora é findo.
    Mar infértil, sem vida, sem doçura...
    Mar amargo e salgado onde a tristura,
    Das correntes brutais, faz suas veias.
    Onde o negro lamento meu, gelado,
    Soa fundo, distante, contristado,
    Como o canto soturno das Baleias.

Ivan Eugênio da Cunha

Um comentário:

Marco Rocca disse...

Magistral poema Ivan! O mar no meu entender é um ser da natureza, tem vida. E como tal, manifesta as seus sentimentos... Tão bem ilustrado por ti neste poema. APLAUSOS!

REVIVALISMO LITERÁRIO


Poesia Retrô é um grupo de revivalismo literário fundado por Rommel Werneck e Gabriel Rübinger em março de 2009. São seus principais objetivos:

* Promoção de Revivalismo;

* O debate sadio sobre os tipos de versos: livres, polimétricos e isométricos, incluindo a propagação destes últimos;

* O estudo de clássicos e de autores da História, Teoria, Crítica e Criação Literária;

* Influenciar escritores e contribuir com material de apoio com informações sobre os assuntos citados acima;

* Catalogar, conhecer, escrever e difundir as várias formas fixas clássicas (soneto, ghazal, rondel, triolé etc) e contemporâneas (indriso, retranca, plêiade, etc.).