quarta-feira, 26 de maio de 2010

Ecos


Ecos

Solfejam-me silêncios e temores,
cravados a singrar ao mesmo cais,
a escarpa, o precipício, o nunca mais,
e o túmulo de Poe vertendo flores.

Não quero cores quentes que das cores
quebrassem harmonias dos cristais,
nem frágil cantochão cheirando paz,
enquanto o coração alude humores.

E na minha cabeça ainda fria,
cismava, cada canto, ter poesia
meu peito destruído pelo vento.

O pranto foi somente quando vi no
roubar o encantamento pequenino,
com olhos de sentir encantamento.
____________________

Artista Edvard Munch

Ano 1893
Tipo Óleo sobre tela, Têmpera e Pastel sobre cartão
Localização Galeria Nacional, Oslo

2 comentários:

Rommel Werneck disse...

Vitor! Parabéns pelo belo soneto! Este quadro de Munch sempre foi meu favorito e acompanhou minha adolescência. Após cursar Moda, passei a venerar Caravaggio e desde ano passado divido com o Rübinger o fã-clube de Bouguereau.

Anônimo disse...

This will astonish you!
It`s in the interest of as all!

ZEITGEIST: ADDENDUM

Money as debt


Technological breakthrough


HydrogenCar

Electrolyzed water

Soladey eco

Bio washball

Solar Air Conditioning

AMAZING!!

OZONATED WATER: CURE ANYTHING!

http://www.stoptherobbery.com/

Projecto Alexandra Solnado

Conversations with God

Monatomic Gold

Dangerous to your health!

EXITOTOXINS

Monosodium glutamate (MSG)
Aluninum
Aspartame
Mercury


IMPORTANT TO WATCH

Flouride in water
Flouride Alert

REVIVALISMO LITERÁRIO


Poesia Retrô é um grupo de revivalismo literário fundado por Rommel Werneck e Gabriel Rübinger em março de 2009. São seus principais objetivos:

* Promoção de Revivalismo;

* O debate sadio sobre os tipos de versos: livres, polimétricos e isométricos, incluindo a propagação destes últimos;

* O estudo de clássicos e de autores da História, Teoria, Crítica e Criação Literária;

* Influenciar escritores e contribuir com material de apoio com informações sobre os assuntos citados acima;

* Catalogar, conhecer, escrever e difundir as várias formas fixas clássicas (soneto, ghazal, rondel, triolé etc) e contemporâneas (indriso, retranca, plêiade, etc.).