domingo, 28 de fevereiro de 2010

Escrevi um poema dedicado à Carla, minha mulher, no gênero lírico clássico, chamado: MADRIGAL.

Vou colocar informações retiradas do famoso TRATADO DE VERSIFICAÇÃO de Olavo Bilac e Guimaraens Passos para entendermos, de maneira breve, sobre este tipo de composição e após, postarei a minha tentativa de realização de um Madrigal (levei 2 meses para realizar este pequeno poema com apenas 8 versos).

MADRIGAL

De origen italiana, o madrigal era, no seculo XVI, uma especie de composição musical e poetica, consistindo em canto vocal sem acompanhamento.

A palavra perdeu essa significação. O que chamamos actualmente madrigal é uma pequena composição destinada a exprimir, num resumido numero de versos, um pensamento espirituoso e elegante, um galanteio, um elogio discreto ou uma discreta confissão de amor. Concisão, graça e delicadeza, — são as suas qualidades esenciaes. (...)

Todas as fórmas metricas podem servir ao madrigal. Nelle se empregam habitualmente a redondilha, ou os versos de 10 e 6 syllabas entremeiados.
(BILAC, Olavo; Passos, Guimaraens. TRATADO DE VERSIFICAÇÃO. Rio de Janeiro, Livraria Francisco Alves, 8ª edição, 1944. (Pág. 131 e 132)

INFORMAÇÕES ADICIONAIS

Exemplos de poetas brasileiros que realizaram Madrigais são: o Árcade Silva Alvarenga, o Romântico Maciel Monteiro e o Simbolista Conde de Affonso Celso.

Curiosidade 1:

Existe na obra de outro Simbolista: Da Costa e Silva, no seu livro Zodíaco de 1917 um poema chamado: Madrigal de um Louco, onde o poeta realiza um poema dedicado ao astro LUA; em formato de losango, este poema, certamente, influenciou os poetas Concretistas.

Curiosidade 2:

Manuel Bandeira no livro Mafuá do Malungo de 1948, também, experimentou este tipo de composição poética, num encaminhamento moderno.


MADRIGAL
à Carla Tambelli

Mia fermosa senhora
Tendes vós serena graça
Ofertais ao que passa
Toda beleza d´aurora.

Dais versos d´improviso
De voss´olhar distraído
A ver no céu colorido
Retrato do vosso riso.
(Alexandre Tambelli, para Carla Tambelli, minha mulher, São Paulo, 06 de agosto de 2009 - 11:27h).


Reflexão nascida ao término do poema em 6 de agosto de 2009.

Por que levamos dois meses para a realização de duas pequenas quadras em redondilha maior?! O poeta deve primeiro conhecer o íntimo do seu poema para depois realizá-lo. Nada está pronto, apesar de poder nascer pronto. Se nascer aparentemente pronto é apenas uma situação de exposição ao papel. A luta pelo poema é ação continuada e vai sendo travada n´alma. O poeta precisa viver a Poesia antes do poema nascer.

2 comentários:

Hapi disse...

hello... hapi blogging... have a nice day! just visiting here....

Rommel Werneck disse...

Eu já demorei quase um ano pra compor um soneto, demora mesmo!

Que belíssimo soprar velinhas de 1 ano com um presente desses...

REVIVALISMO LITERÁRIO


Poesia Retrô é um grupo de revivalismo literário fundado por Rommel Werneck e Gabriel Rübinger em março de 2009. São seus principais objetivos:

* Promoção de Revivalismo;

* O debate sadio sobre os tipos de versos: livres, polimétricos e isométricos, incluindo a propagação destes últimos;

* O estudo de clássicos e de autores da História, Teoria, Crítica e Criação Literária;

* Influenciar escritores e contribuir com material de apoio com informações sobre os assuntos citados acima;

* Catalogar, conhecer, escrever e difundir as várias formas fixas clássicas (soneto, ghazal, rondel, triolé etc) e contemporâneas (indriso, retranca, plêiade, etc.).