segunda-feira, 11 de abril de 2011

Ódio Sagrado - Cruz e Sousa




Ó meu ódio, meu ódio majestoso,
Meu ódio santo e puro e benfazejo,
Unge-me a fronte com teu grande beijo,
Torna-me humilde e torna-me orgulhoso.

Humilde, com os humildes generoso,
Orgulhoso com os seres sem Desejo,
Sem Bondade, sem Fé e sem lampejo
De sol fecundador e carinhoso.

Ó meu ódio, meu lábaro bendito,
Da minh'alma agitado no infinito,
Através de outros lábaros sagrados.

Ódio são, ódio bom! sê meu escudo
Contra os vilões do Amor, que infamam tudo,
Das sete torres dos mortais Pecados!

Tenho meus motivos para postar esta imagem e este soneto.

5 comentários:

Edir Pina de Barros disse...

Quanta beleza! Quanto fulgor n'alma do poeta!

Febo Vitoriano disse...

Geleiras, joga isso no FB. Vc vai calar a boca de uma pessoa q conheço! Vai ser muto bom...

Febo Vitoriano disse...

Eu amo esse soneto!!!!!!

Geleiras disse...

Ok, posso fazer, mas o FB que seria?

Febo Vitoriano disse...

Facebook

REVIVALISMO LITERÁRIO


Poesia Retrô é um grupo de revivalismo literário fundado por Rommel Werneck e Gabriel Rübinger em março de 2009. São seus principais objetivos:

* Promoção de Revivalismo;

* O debate sadio sobre os tipos de versos: livres, polimétricos e isométricos, incluindo a propagação destes últimos;

* O estudo de clássicos e de autores da História, Teoria, Crítica e Criação Literária;

* Influenciar escritores e contribuir com material de apoio com informações sobre os assuntos citados acima;

* Catalogar, conhecer, escrever e difundir as várias formas fixas clássicas (soneto, ghazal, rondel, triolé etc) e contemporâneas (indriso, retranca, plêiade, etc.).