quarta-feira, 27 de julho de 2022

Edital/ Chamada: E-ANTOLOGIA MAX

 


 É com muita satisfação que, após tanto tempo, promovemos nossa segunda antologia neste ano: I E-Antologia MAX - Poesia Maximalista


 


  1. – SOBRE O BLOG POESIA RETRÔ E AS PROPOSTAS 

 

a-)  Poesia Retrô é um blog coletivo fundado por Rommel Werneck e Gabriel Rübinger em 2009 com o intuito de promover Revivalismo Literário. Embora tenha permanecido inativo nos últimos anos, busca ter novidades e atualizações. Os organizadores da atual antologia são o Poeta Lendário e Rommel Werneck. 

 

2- A primeira antologia do grupo se deu em 2009 sob título de I E-Book de Poesia Retrô. No ano seguinte realizamos uma Exposição de Poesia Retrô. E em junho de 2022 publicamos a nova antologia geral. Você pode ter contato com estes eventos nos seguintes endereços.  

 

I E-Book de Poesia Retrô (2009) 

 

I Exposição de Poesia Retrô (2010) 


II E-Antologia de Poesia Retrô (2022)



3- Para tal antologia haverá tema: o texto deve estar em estilo retrô, em formas fixas ou não, e ter mais de uma página pois pretendemos explorar a estética maximalista na poesia. Por Revivalismo Literário ou poesia retrô entendemos: formas fixas tradicionais (soneto, ghazal, pantum, sextina etc) ou novas (plêiade, indriso etc) podendo também apresentar poemas sem forma fixa e até em versos livres, mas em estilo mais revivalista e arcaico; versos isométricos ou heterométricos; temas clássicos; poesia sacra; mitologia; imitação de literatura histórica em geral; 

Indicamos links úteis: 

 

  

Por que Poesia Retrô? 


Dicas para novos poetas em sonetos e poesia retrô de modo geral.  


Rima pobre X Rima miserável 

 

Sobre versos decassílabos  


A Terza Rima




  

4- Sobre o estilo maximalista. A E-Antologia Max busca reunir textos longos, preferencialmente em métricas em arte maior, versos longos, epopeias, terza rimas, coroa de sonetos, sextinas, pantuns etc. Convém salientar que para estas formas fixas exigimos isometria e cuidado com a métrica. Versos livres serão aceitos em poemas de formas livres somente. Pretendemos explorar e valorizar os textos longos, geralmente excluídos da literatura mainstream. A publicação se dará digitalmente (e-book) em distribuição gratuita. Em caso de dúvidas: contato@rommelwerneck.com

 

 

 

II- DAS INSCRIÇÕES


 

5 - CALENDÁRIO.

Até 15 de agosto: Poetas convidados devem remeter seus textos

15/ago a 30/set: Inscrições via google forms (que será colocado aqui no dia 15 de agosto)

1º/out a 10/out: Revisão dos textos

15/out: Divulgação final

23/out: Publicação da Antologia



 

6 - QUANTIDADE. - Solicitamos o envio de 1 ou 2 poemas em estilo retrô maximalista conforme elucidamos acima, dos quais nem todos poderão ser publicados. Realizaremos uma seleção e publicaremos de 1 a 2 poemas dos autores selecionados sendo que, para esta antologia, focada em textos longos teremos somente 10 vagas para evitar um livro muito cansativo.  Pouco importa a diagramação porque teremos a nossa própria, mas pede-se o bom senso: enviar o texto em fonte simples, deixando claro o espaçamento das estrofes, fonte Arial, Verdana, Times ou qualquer outra convencional e que tenha mais de uma lauda.. Como nossa proposta é o oposto do minimalismo, não há limite de páginas.  


  

Paragráfo Único - Os textos devem estar escritos em língua portuguesa, arcaica ou atual, galego-português e/ou latim. Importante salientar que os textos estarão sujeitos à revisão textual e métrica.

 

 

7- O texto não precisa ser inédito, no entanto, pede-se que o autor assinale onde e quando se deu a publicação original, por exemplo: “Publicado originalmente no meu blog pessoal”, “texto inédito”, “Texto vencedor do concurso X” etc.  

  

8- Além de remeter os poemas, o autor deverá enviar uma minibiografia em terceira pessoa (aprox. 5 linhas), foto, glossário para os vocábulos pouco conhecidos (se houver), e-mail, endereço de blog ou site, cidade/ país, whatsapp. Se possível, tudo no mesmo arquivo Word.  

 

 

 

III - DISTRIBUIÇÃO E DIAGRAMAÇÃO 


 

9- A Antologia será diagramada em e-book e divulgada gratuitamente na página www.rommelwerneck.com. Intencionamos realizar um podcast e/ou live.  

 

10 - Ao enviar seus textos o autor cede os direitos autorais para a publicação, mas não a exclusividade e sabe que não será remunerado pois o blog não tem fins lucrativos.  

 

12- A inscrição é gratuita. Excluindo os autores convidados, os autores selecionados se comprometem a pagar uma taxa de R$20,00 via transferência, depósito bancário ou PIX para custear a edição de imagens, ISBN e ficha catalográfica de nossa bibliotecária e demais despesas.




terça-feira, 19 de julho de 2022

A TERZA RIMA

 

    

Dante no exílio. Autor desconhecido

  

       A terza rima é uma forma fixa estruturada em tercetos e utilizada pela primeira vez pelo grande poeta italiano Dante Alighieri. Em língua portuguesa, há quem chame de "terceira", mas este nome é pouco usado. Eu, até hoje, desconhecia o plural de terza rima e utilizava terza rimas, mas terze rime é o correto conforme o idioma italiano. 

    Antes de falar sobre a estrutura e as regras, observe o primeiro canto de "A Divina Comédia": 


Nel mezzo del cammin di nostra vita
mi ritrovai per una selva oscura,
ché la diritta via era smarrita.

Ahi quanto a dir qual era è cosa dura
esta selva selvaggia e aspra e forte
che nel pensier rinova la paura!

Tant’ è amara che poco è più morte;
ma per trattar del ben ch’i’ vi trovai,
dirò de l’altre cose ch’i’ v’ho scorte.

Io non so ben ridir com’ i’ v’intrai,
tant’ era pien di sonno a quel punto
che la verace via abbandonai.

Ma poi ch’i’ fui al piè d’un colle giunto,
là dove terminava quella valle
che m’avea di paura il cor compunto,

guardai in alto e vidi le sue spalle
vestite già de’ raggi del pianeta
che mena dritto altrui per ogne calle.

Allor fu la paura un poco queta,
che nel lago del cor m’era durata
la notte ch’i’ passai con tanta pieta.

E come quei che con lena affannata,
uscito fuor del pelago a la riva,
si volge a l’acqua perigliosa e guata,

così l’animo mio, ch’ancor fuggiva,
si volse a retro a rimirar lo passo
che non lasciò già mai persona viva.

Poi ch’èi posato un poco il corpo lasso,
ripresi via per la piaggia diserta,
sì che ’l piè fermo sempre era ’l più basso.

Ed ecco, quasi al cominciar de l’erta,
una lonza leggera e presta molto,
che di pel macolato era coverta;

e non mi si partia dinanzi al volto,
anzi ’mpediva tanto il mio cammino,
ch’i’ fui per ritornar più volte vòlto.

Temp’ era dal principio del mattino,
e ’l sol montava ’n sù con quelle stelle
ch’eran con lui quando l’amor divino

mosse di prima quelle cose belle;
sì ch’a bene sperar m’era cagione
di quella fiera a la gaetta pelle

l’ora del tempo e la dolce stagione;
ma non sì che paura non mi desse
la vista che m’apparve d’un leone.

Questi parea che contra me venisse
con la test’ alta e con rabbiosa fame,
sì che parea che l’aere ne tremesse.

Ed una lupa, che di tutte brame
sembiava carca ne la sua magrezza,
e molte genti fé già viver grame,

questa mi porse tanto di gravezza
con la paura ch’uscia di sua vista,
ch’io perdei la speranza de l’altezza.

E qual è quei che volontieri acquista,
e giugne ’l tempo che perder lo face,
che ’n tutti suoi pensier piange e s’attrista;

tal mi fece la bestia sanza pace,
che, venendomi ’ncontro, a poco a poco
mi ripigneva là dove ’l sol tace.

Mentre ch’i’ rovinava in basso loco,
dinanzi a li occhi mi si fu offerto
chi per lungo silenzio parea fioco.

Quando vidi costui nel gran diserto,
«Miserere di me», gridai a lui,
«qual che tu sii, od ombra od omo certo!».

Rispuosemi: «Non omo, omo già fui,
e li parenti miei furon lombardi,
mantoani per patrïa ambedui.

Nacqui sub Iulio, ancor che fosse tardi,
e vissi a Roma sotto ’l buono Augusto
nel tempo de li dèi falsi e bugiardi.

Poeta fui, e cantai di quel giusto
figliuol d’Anchise che venne di Troia,
poi che ’l superbo Ilïón fu combusto.

Ma tu perché ritorni a tanta noia?
perché non sali il dilettoso monte
ch’è principio e cagion di tutta gioia?».

«Or se’ tu quel Virgilio e quella fonte
che spandi di parlar sì largo fiume?»,
rispuos’ io lui con vergognosa fronte.

«O de li altri poeti onore e lume,
vagliami ’l lungo studio e ’l grande amore
che m’ha fatto cercar lo tuo volume.

Tu se’ lo mio maestro e ’l mio autore,
tu se’ solo colui da cu’ io tolsi
lo bello stilo che m’ha fatto onore.

Vedi la bestia per cu’ io mi volsi;
aiutami da lei, famoso saggio,
ch’ella mi fa tremar le vene e i polsi».

«A te convien tenere altro vïaggio»,
rispuose, poi che lagrimar mi vide,
«se vuo’ campar d’esto loco selvaggio;

ché questa bestia, per la qual tu gride,
non lascia altrui passar per la sua via,
ma tanto lo ’mpedisce che l’uccide;

e ha natura sì malvagia e ria,
che mai non empie la bramosa voglia,
e dopo ’l pasto ha più fame che pria.

Molti son li animali a cui s’ammoglia,
e più saranno ancora, infin che ’l veltro
verrà, che la farà morir con doglia.

Questi non ciberà terra né peltro,
ma sapïenza, amore e virtute,
e sua nazion sarà tra feltro e feltro.

Di quella umile Italia fia salute
per cui morì la vergine Cammilla,
Eurialo e Turno e Niso di ferute.

Questi la caccerà per ogne villa,
fin che l’avrà rimessa ne lo ’nferno,
là onde ’nvidia prima dipartilla.

Ond’ io per lo tuo me’ penso e discerno
che tu mi segui, e io sarò tua guida,
e trarrotti di qui per loco etterno;

ove udirai le disperate strida,
vedrai li antichi spiriti dolenti,
ch’a la seconda morte ciascun grida;

e vederai color che son contenti
nel foco, perché speran di venire
quando che sia a le beate genti.

A le quai poi se tu vorrai salire,
anima fia a ciò più di me degna:
con lei ti lascerò nel mio partire;

ché quello imperador che là sù regna,
perch’ i’ fu’ ribellante a la sua legge,
non vuol che ’n sua città per me si vegna.

In tutte parti impera e quivi regge;
quivi è la sua città e l’alto seggio:
oh felice colui cu’ ivi elegge!».

E io a lui: «Poeta, io ti richeggio
per quello Dio che tu non conoscesti,
acciò ch’io fugga questo male e peggio,

che tu mi meni là dov’ or dicesti,
sì ch’io veggia la porta di san Pietro
e color cui tu fai cotanto mesti».

Allor si mosse, e io li tenni dietro.


        Como você pode perceber, a terza rima é estruturada em tercetos em que a rima do meio sempre será a próxima rima a aparecer duas vezes. Esquema rimático: ABA BCB CDC DED EFE etc. Os versos devem ser isométricos e, preferencialmente decassílabos, minhas primeiras experiências foram com hendecassílabos e podem ser observadas aqui mesmo no blog sob a tag TERZA RIMA

        Em contraponto, a quantidade de tercetos é variável, o que oferece bastante liberdade e a estrofe final pode ser terceto e monóstico como Dante utilizou ou uma quadra. A terza rima pode receber título embora muitos autores prefiram não dar nomes, Álvarez de Azevedo fez esta última opção: 






  
TERZA RIMA

É belo dentre a cinza ver ardendo
Nas mãos do fumador um bom cigarro,
Sentir o fumo em névoas recendendo...

Do cachimbo alemão no louro barro
Ver a chama vermelha estremecendo
E até... perdoem... respirar-lhe o sarro!

Porém o que há mais doce nesta vida,
O que das mágoas desvanece o luto
E dá som a uma alma empobrecida,
Palavra d'honra, és tu, Ó meu charuto!



Outro interessante exemplo de Machado de Assis: terza rima com título, muitas estrofes e quadra final: 



JOSÉ DE ANCHIETA

Esse que as vestes ásperas cingia,
E a viva flor da ardente juventude
Dentro do peito a todos escondia;

Que em páginas de areia vasta e rude
Os versos escrevia e encomendava
A mente, como esforço de virtude;

Esse nos rios de Babel achava,
Jerusalém, os cantos primitivos,
E novamente aos ares os cantava.

Não procedia então como os cativos
De Sião, consumidos de saudade,
Velados de tristeza, e pensativos.

Os cantos de outro clima e de outra idade
Ensinava sorrindo às novas gentes
Pela língua do amor e da piedade.

E iam caindo os versos excelentes
No abençoado chão, e iam caindo
Do mesmo modo as místicas sementes.

Nas florestas os pássaros, ouvindo
O nome de Jesus e os seus louvores,
Iam cantando o mesmo canto lindo.

Eram as notas como alheias flores
Que verdejam no meio de verduras
De diversas origens e primores.

Anchieta, soltando as vozes puras,
Achas outra Sião neste hemisfério,
E a mesma fé e igual amor apuras.

Certo, ferindo as cordas do saltério,
Unicamente contas divulgá-la
A palavra cristã e o seu mistério.

Trepar não cuidas a luzente escala
Que os heróis cabe e leva à clara esfera
Onde eterna se faz a humana fala.

Onde os tempos não são esta quimera
Que apenas brilha e logo se esvaece,
Como folhas de escassa primavera.

Onde nada se perde nem se esquece,
E no dorso dos séculos trazido
O nome de Anchieta resplandece
Ao vivo nome do Brasil unido.



       Meu exemplo pessoal: 



PERMISSÕES

                              A W.C.M.


Despertar em solene madrugada
A teu lado deitado e corrompido
Esperando a chegada da alvorada

Se, pelo menos, fosse permitido,
Se deixassem as rudes convenções
Perder-se num amor correspondido.

Dormir embalsamado nas paixões
A teu lado, um inferno mais celeste,
Sem precisar de tuas permissões... 

Um dia, num jardim distante ao leste
Eu te ofertei um ósculo febril...
“--- Sonhar comigo?! Como?!” --- Tu disseste
“--- Como pode?! Quem foi que permitiu?”


terça-feira, 21 de junho de 2022

LANÇAMENTO DA II E-ANTOLOGIA DE POESIA RETRÔ

 



      É com muita felicidade que comunico e oficializo a publicação de nossa II E-Antologia de Poesia Retrô. A última e primeira publicação se deu ainda em 2009 quando a amiga Denise Severgnini, homenageada desta edição, ainda estava viva. O e-book conta com os seguintes nomes:

Alexsandro Alves
Álvarez Setúbal 
Alysson Bezerra
Bartolomeu de Castella
Bernardo Szpilman
Daniel B. de Siqueira 
Edwaldo Camargo Rodrigues
Elisa Maria de Freitas
Elvira Drummond
Gilliard Santos
Guilhermo Vaz
Jerson Brito 
José Eduardo Angelini Milani
Lucrecia Welter Ribeiro
Olivaldo Júnior
Pero Guimarãez 
Schleiden Nunes Pimenta
Thais Bueno
Vânia Perciani

         
      Sendo os seguintes autores convidados pelo autor e organizador Rommel Werneck:

Alessa B
Lucas Munhoz
Nestório da Santa Cruz
Poeta Lendário
Renan Caíque
Ronaldo Rhusso


O arquivo pode ser baixado e distribuído gratuitamente AQUI

domingo, 22 de maio de 2022

II E-ANTOLOGIA DE POESIA RETRÔ: RESULTADO E PROCEDIMENTOS

 

Antes de mais nada quero agradecer a todos os veículos literários que divulgaram a chamada. Eu realmente não esperava receber tantas inscrições neste período com a reativação do blog. Foram 57 autores rejeitados e 18 selecionados além de 6 poetas convidados. Considerando que havia possibilidade de envio de 4 textos e não havia limite de páginas por poema, recebi uma quantidade tão elevada de textos que não há sequer previsão de contagem...

Considerando que a proposta do blog é promover os versos isométricos, heterométricos, polimétricos e versos livres bem cuidados além do cultivo canônico e de temáticas mais clássicas, posso dividir os autores em quatro categorias.

Primeiramente, os autores que foram convidados por mim e que tiveram seus textos revisados como quaisquer outros; os autores que foram rejeitados porque seus textos, embora bons, estivessem fora de nossa proposta, além do mais, com tantos poemas o critério de avaliação ficou mais rígido. 

Em terceiro lugar, autores cujos textos estavam muito bons, mas com minúsculos deslizes métricos e passaram por revisões (discutidas com eles por e-mail ou whatsapp e aceitas por eles) para se adequarem. Importante frisar que para sonetos e outras formas fixas mais tradicionais, escandimos os versos... E finalmente, os autores cujos belíssimos versos não precisaram de correções.

Teremos um soneto de abertura reservado somente aos poetas classificados que pode ser editado AQUI

A lista abaixo contempla os dois últimos grupos. Há quatro autores com material pendente (correções), mas não os mencionarei aqui por motivo ético. Eles já foram alertados diretamente e, obviamente, possuem até 30 de maio para fazer os ajustes ou perderão textos na antologia. Segue a lista final: 



Alexsandro Alves
Álvarez Setúbal 
Alysson Bezerra
Bartolomeu de Castella
Bernardo Szpilman
Daniel B. de Siqueira 
Edwaldo Camargo Rodrigues
Elisa Maria de Freitas
Elvira Drummond
Guilhermo Vaz
Gillard Santos
Jerson Brito 
José Eduardo Angelini Milani
Lucrecia Welter Ribeiro
Olivaldo Júnior
Pero Guimarãez 
Schleiden Nunes Pimenta
Thais Bueno
Vânia Perciani


Autores Convidados:


Alessa B
Lucas Munhoz
Nestório da Santa Cruz
Renan Caíque
Ronaldo Rhusso


Autor convidado e assistente de revisão:

Poeta Lendário


P.S:  Nos últimos dias estou muito ocupado porque obtive um segundo emprego, então, quem quiser se oferecer para ajudar será bem-vindo. Do mesmo modo, peço a compreensão de todos. Pretendo lançar a 30 ou 31 de maio.

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2022

CHAMADA - II ANTOLOGIA DE POESIA RETRÔ - Edição “Denise Severgnini”

                                          

   




 ATUALIZAÇÃO 05.04: Estou entrando em contato com alguns autores para avisar que seus textos foram pré-selecionados, mas que apresentam erros ou pontos confusos de métrica e/ou gramática, ortografia etc para agilizar o processo e existir tempo suficiente para meditar, repensar, consertar etc. Quem se inscrever e enviar no fim do prazo obviamente terá tempo também, bem como todos os direitos. Mas estou com membros da equipe afastados por motivo de trabalho e saúde e convém agilizar. Agradeço,

Atualização: 30.04: O prazo de envio foi ampliado até 07 de maio

Atualização: 10 de maio: Lista de resultados deve sair 15 de maio

Atualização: 15. maio, Lista sairá dia 22, mas estou avisando por whatsapp ou por e-mail. Perdão pela demora. Estou em dois empregos agora. Antologia será lançada dia 30 de maio. .


Rommel/ Febo


É com muita satisfação que, após tanto tempo, promovemos nossa segunda antologia.  

 

I – SOBRE O BLOG POESIA RETRÔ E AS PROPOSTAS  

 

1- Poesia Retrô é um blog coletivo fundado por Rommel Werneck e Gabriel Rübinger em 2009 com o intuito de promover Revivalismo Literário. Embora tenha permanecido inativo nos últimos anos, busca ter novidades e atualizações. O organizador da atual antologia é Rommel Werneck. 

 

2- A primeira antologia do grupo se deu em 2009 sob título de I E-Book de Poesia Retrô. No ano seguinte realizamos uma Exposição de Poesia Retrô. Você pode ter contato com estes eventos nos seguintes endereços.  

 

I E-Book de Poesia Retrô (2009) 

 

 

3- Para tal antologia não haverá tema, mas exige-se que os textos estejam em estilo retrô, em formas fixas ou não.  
 
Por Revivalismo Literário ou poesia retrô entendemos: formas fixas tradicionais (soneto, ghazal, pantum, sextina etc) ou novas (plêiade, indriso etc) podendo também apresentar poemas sem forma fixa e até em versos livres, mas em estilo mais revivalista e arcaico; versos isométricos ou heterométricos; temas clássicos; poesia sacra; mitologia; imitação de literatura histórica em geral; 

 
Em caso de dúvidas, indicamos links úteis: 

 

  

Por que Poesia Retrô? 

 

Dicas para novos poetas em sonetos e poesia retrô de modo geral.  

 

Características 

 

Rima pobre X Rima miserável 

 

4- A segunda edição da antologia homenageia Denise Severgnini, poetisa presente no I E-book, falecida em 2013. 

   

II- DAS INSCRIÇÕES 

 

5- Solicitamos o envio de 4 poemas em estilo retrô conforme elucidamos acima, dos quais nem todos poderão ser publicados. Realizaremos uma seleção e publicaremos de 1 a 4 poemas dos autores selecionados.  

Os textos devem ser enviados em arquivo Word para o seguinte e-mail contato@rommelwerneck.com até 30 de abril de 2022. Pouco importa a diagramação porque teremos a nossa própria, mas pede-se o bom senso: enviar o texto em fonte simples, deixando claro o espaçamento das estrofes, fonte Arial, Verdana, Times ou qualquer outra convencional. Como nossa proposta é o oposto do minimalismo, não há limite de páginas 

 

6- Os textos devem estar escritos em língua portuguesa, arcaica ou atual, galego-português e/ou latim. Importante salientar que os textos estarão sujeitos à revisão.  

 

7- O texto não precisa ser inédito, no entanto, pede-se que o autor assinale onde e quando se deu a publicação original, por exemplo: “Publicado originalmente no meu blog pessoal”, “texto inédito”, “Texto vencedor do concurso X” etc.  

  

8- Além de remeter os 4 poemas, o autor deverá enviar uma minibiografia em terceira pessoa (aprox. 5 linhas), foto, glossário para os vocábulos pouco conhecidos (se houver), e-mail, endereço de blog ou site, cidade/ país, whatsapp. Se possível, tudo no mesmo arquivo Word.  

 

 

III - DISTRIBUIÇÃO E DIAGRAMAÇÃO 

 

9- A Antologia será diagramada em e-book e divulgada gratuitamente na página www.rommelwerneck.com . Intencionamos realizar um podcast e/ou live.  
 

10 - A participação na antologia é totalmente gratuita. Ao enviar seus textos o autor cede os direitos autorais para a publicação e sabe que não será remunerado pois o blog não tem fins lucrativos.  

 

12- Caso alguma alma caridosa queira fazer doação espontânea via pix para auxiliar na manutenção de meu site, favor entrar em contato pelo mesmo e-mail.  

 

REVIVALISMO LITERÁRIO


Poesia Retrô é um grupo de revivalismo literário fundado por Rommel Werneck e Gabriel Rübinger em março de 2009. São seus principais objetivos:

* Promoção de Revivalismo;

* O debate sadio sobre os tipos de versos: livres, polimétricos e isométricos, incluindo a propagação destes últimos;

* O estudo de clássicos e de autores da História, Teoria, Crítica e Criação Literária;

* Influenciar escritores e contribuir com material de apoio com informações sobre os assuntos citados acima;

* Catalogar, conhecer, escrever e difundir as várias formas fixas clássicas (soneto, ghazal, rondel, triolé etc) e contemporâneas (indriso, retranca, plêiade, etc.).