quinta-feira, 3 de novembro de 2011

GONÇALVES DIAS e OLAVO BILAC



Vi por aí um quadro comparativo entre Abraham Lincoln e John Kennedy, então pensei numa comparação entre dois poetas brasileiros que há muito tempo acho parecidos.

Gonçalves Dias e Olavo Bilac

Gonçalves Dias era reconhecido em vida como o maior poeta brasileiro. Olavo Bilac recebeu o título de Príncipe dos Poetas Brasileiros.

A poesia de ambos é ora lírica, ora épica.

Ambos são românticos. Olavo Bilac até mais do que se esperaria de sua escola.

Ambos são épicos. Gonçalves Dias até mais do que se esperaria de sua escola.

Ambos são patriotas líricos com, por exemplo, a “Canção do exílio”, de Gonçalves Dias, e o “Hino à Bandeira Nacional”, de Olavo Bilac.

Gonçalves Dias fez o épico indianista “Os Timbiras”. Olavo Bilac, o épico “O Caçador de Esmeraldas”, sobre as bandeiras, além do pequeno “A morte de Tapir”, indianista.

Gonçalves Dias estudou Direito, mas não foi jurista, foi professor. Olavo Bilac deixou o curso de Medicina e depois o de Direito, fez afinal Letras, e foi inspetor escolar.

Gonçalves Dias amou Ana Amélia a vida toda, e a família dela não permitiu o casamento. Olavo Bilac amou Amélia a vida toda, e a família dela não permitiu o casamento.

Anos depois da separação, Gonçalves Dias encontrou Ana Amélia e escreveu “Ainda uma vez, adeus”. Anos depois da separação, Olavo Bilac encontrou Amélia e escreveu “Maldição”.

A cadeira fundada por Olavo Bilac na ABL, a de nº 15, tem como patrono Gonçalves Dias.

Filipe Cavalcante

Nenhum comentário:

REVIVALISMO LITERÁRIO


Poesia Retrô é um grupo de revivalismo literário fundado por Rommel Werneck e Gabriel Rübinger em março de 2009. São seus principais objetivos:

* Promoção de Revivalismo;

* O debate sadio sobre os tipos de versos: livres, polimétricos e isométricos, incluindo a propagação destes últimos;

* O estudo de clássicos e de autores da História, Teoria, Crítica e Criação Literária;

* Influenciar escritores e contribuir com material de apoio com informações sobre os assuntos citados acima;

* Catalogar, conhecer, escrever e difundir as várias formas fixas clássicas (soneto, ghazal, rondel, triolé etc) e contemporâneas (indriso, retranca, plêiade, etc.).