segunda-feira, 17 de maio de 2010

VIRTUDE

I

O Verbo se fez carne, e andou aqui no mundo.

Entre nós habitou, aqui mesmo na Terra.

Igual a nós se fez, para mostrar ao que erra

a Luz contra o pecado horripilante e imundo.


E falava de um modo a que chegasse ao fundo

dos nossos corações – dissipava-se a guerra

da voz ao doce som. A triste alma que berra

o consolo encontrava em seu amor profundo.


Ele veio pra os seus, mas não foi compreendido.

O homem, sem entender, caminhava perdido,

não podendo o mistério alcançar por inteiro.


À morte se daria alguém que ao bem induz?

Pareceu-nos segredo a verdade da cruz –

o Bem aniquilado e morto num madeiro.



II

Mas como? O próprio Bem sacrificado, morto

em prol da humanidade! Isso fará sentido?

Crer que Deus se compraza em ver morrer sofrido

Este que era a razão do mundo e o seu conforto?


A Verdade morreu! Eis que tudo está torto!

Crer divina bondade àquele que a há cumprido

por sangue derramado! E o mundo desvalido

d’Esse que já se foi e era seguro porto!


Porém logo a resposta iluminada acude,

revelando o mistério, a busca da virtude,

que à humanidade toda é lícito colher.


Por que o Verbo, a Razão, vai ser crucificado,

pra nos dar a sentir a força do pecado,

e depois ressuscita em todo o seu poder.



Filipe Cavalcante

Um comentário:

Rommel Werneck disse...

Aplausos, bardo! O estado é laico e não ateu! Certos concursos literários estão desprezando e desclassioficando a poesia sacra. Infelizmente, a auto ajuda é idolatrada enquanto a arte sacra é vista com desprezo!

REVIVALISMO LITERÁRIO


Poesia Retrô é um grupo de revivalismo literário fundado por Rommel Werneck e Gabriel Rübinger em março de 2009. São seus principais objetivos:

* Promoção de Revivalismo;

* O debate sadio sobre os tipos de versos: livres, polimétricos e isométricos, incluindo a propagação destes últimos;

* O estudo de clássicos e de autores da História, Teoria, Crítica e Criação Literária;

* Influenciar escritores e contribuir com material de apoio com informações sobre os assuntos citados acima;

* Catalogar, conhecer, escrever e difundir as várias formas fixas clássicas (soneto, ghazal, rondel, triolé etc) e contemporâneas (indriso, retranca, plêiade, etc.).